Buscar
  • Silvâni & Cardoso Advogados

Demora na Implantação de Benefício Previdenciário Gera Dano Moral


INSS levou mais de dois anos para pagar aposentadoria por tempo de contribuição concedida judicialmente ao segurado.

A Primeira Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) reconheceu o direito de um segurado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) receber indenização por danos morais devido à demora na implantação de aposentadoria por tempo de contribuição concedida judicialmente. O benefício previdenciário foi implantado mais de dois anos depois da intimação da autarquia federal.


Para os magistrados, a situação ultrapassou os limites de mero dissabor, pois o segurado foi privado de verba de natureza alimentar.


Em primeira instância, a Justiça Federal já havia julgado procedente o pedido de danos morais, condenando o INSS ao pagamento de R$ 8 mil. Após a decisão, a autarquia federal ingressou com recurso no TRF3 solicitando a reforma da sentença, afirmando não estarem presentes os pressupostos do dever de indenizar.


Ao analisar a questão no TRF3, os magistrados da Primeira Turma confirmaram o entendimento de primeiro grau e concluíram que ficou caracterizada a demora administrativa no cumprimento da decisão judicial.


Após o acórdão, a autarquia federal ingressou com novo recurso, afirmando que a decisão foi contraditória e obscura ao manter a indenização, mesmo ausentes os requisitos para configuração do dano moral.


Ao rejeitar o pedido, o relator do processo, desembargador federal Wilson Zauhy, afirmou que houve demonstração do prejuízo extrapatrimonial.


“O INSS demorou, sem qualquer justificativa, mais de dois anos para dar cumprimento à determinação judicial de imediata implantação de benefício previdenciário em favor do autor, situação que ultrapassa os limites de um mero dissabor, ensejando o dano moral passível de compensação pecuniária”, frisou.


Com esse entendimento, a Primeira Turma confirmou a procedência do pedido de indenização por dano moral em R$ 8 mil, valor a ser corrigido a partir da data da sentença.


Apelação Cível 0004147-50.2014.4.03.6114

Assessoria de Comunicação Social do TRF3.

Notícia publicada em 09/setembro/2021.


Silvâni Silva

Advogada


NÓS PODEMOS TE AJUDAR!

FALE CONOSCO

Telefone:   4003 -7211

 

WhatsApp:  + 55 (21) 99966-9833

 

Instagram: @silvani.cardoso.advogados

                        

E- mail:            juridico@silvaniadvogados.com

Brasília - DF

SCN, Quadra 4, Bloco B, Sala 702, Asa Norte, Ed Varig

 CEP 70.714-900

Rio de Janeiro - RJ

Rua Sete de Setembro, 71, 15º andar - Centro

CEP: 20.050-005

São Paulo - SP 

Av. Ibirapuera, n. 2033, 8° andar - Moema

CEP: 04.029-100

ENTRE EM CONTATO
shield.png

Suas informações estão seguras.

Agradecemos pelo envio!
Vamos entrar em contato em breve.